terça-feira, 5 de maio de 2015

Projeto 9 - Poema Existe um Anjo

Projeto 9

Hoje o Conto & Arte vem compartilhar com vocês o Poema e a Atividade do mês de Maio!
 Maio é um mês muito especial, mês dedicado as mâes, mês que enaltece o mais sublime dos sentimentos que é o Amor!
Um poema lindo, cheio de sentimento, que verdadeiramente expressa o sentimento do amor!

Poema

Existe um Anjo
(Ale Dossena)

Existe um anjo…
Que nos dá a luz
Que sempre nos conduz
Pelos caminhos do bem
Nos cobre de proteção
Nos afaga o coração
E nos socorre também

Existe um anjo...
Que nos ensina a sonhar,
Cantar, falar e amar
Pela arte da emoção
É a cartilha da vida
A professora mais amiga
Que nos estende a mão

Existe um anjo...
Que acompanha nossos passos
Que nos dá os primeiros abraços
Que sofre com nossa dor
É um sinal do arvorecer
Que nos ensina a merecer
Os benefícios do amor

Existe um anjo...
Que conosco se entristece
Quando algo acontece
Nos momentos de agonia
Que nos ensina a rezar
Está sempre a nos lembrar
Que amanhã é um novo dia

Existe um anjo...
Que revive nossas memórias
Se alegra em nossas vitórias
Com a sincera felicidade
É uma mistura de flor
Com carinho, cuidado e amor
Nossa estrela da verdade

Existe um anjo...
Que às vezes tão sofrida
Nos ensina o sentido da vida
E nos transforma o ser
Entendemos através dela
Que a jornada pode ser bela
Apenas nos basta o querer

Existe um anjo...
Que faz da nossa consciência
O milagre de nossa existência
Torna nossos valores maiores
Nos ensina que o viver
É a oportunidade de aprender
A sermos pessoas melhores

Esse anjo...
Tem muitos nomes e praças
Tem várias cores e raças
Mas faz parte de nossa vida
Seja perto ou longe da visão
Estará prá sempre em nosso coração
A nossa “mãezinha” querida...

Este poema é lindo, e o(a) professor(ra) pode trabalhar com as crianças o poema inteiro ou somente alguma parte dele conforme a idade das crianças.
Declamar e recitar faz com qua a crianças aprimore sua linguagem e sua forma de se expressar.

Para registrar este trabalho com as crianças o(a) professor(ra) confeccionar com os seus alunos um cartão para as mães e nele a criança pode escrever a sua maneira o seu próprio poema.
As crianças menores podem desenhar para fazer este registro.

Atividade Lúdica

Cartão Dia das Mães
(Ro Miqueletto)

Um cartão é uma forma registrar o que as crianças sentiram ao trabalhar o poema e presentear as Mães!
Este modelo de cartão pode ser impresso e confeccionado pelos alunos, ficando a critério de cada professor(ra) como será realizado a atividade.
Os arquivos estão disponíveis para download para impressão em papel tamanho A4.
As crianças maiores podem recortar sozinhas e as menores com ajuda de um adulto.
As imagens para decoração do cartão foram coladas com fita banana e os botões com cola quente.
Os botões podem ser trocados por outros materiais de acordo com a disponibilidade de cada professor(ra).


Modelo de Papel para Cartão (A4)



Modelo de Decoração para o Cartão Dia das Mães


O Poema e Atividade aqui propostos tem o intuito de inspirar e incentivar à educadores e leigos
 trabalhar a literatura e arte de uma maneira prazerosa e lúdica com suas crianças.
Os direitos são reservados às autoras!

Esperamos que gostem!




domingo, 14 de dezembro de 2014

Projeto 8 - Conto de Natal



Projeto 8

Oi meninas e meninos!

Estamos em dezembro e falta poucos dias para o Natal! 

Natal quer dizer um espírito de amor, um tempo quando o amor de Deus e o amor dos seres humanos deveriam prevalecer acima de todo o ódio e amargura, um tempo em que nossos pensamentos, ações, e o espírito de nossas vidas manifestam a presença de Deus.

E é com este espírito que nós do Conto & Arte apresentamos a história deste mês, fechando assim o ano de 2014!
Uma história linda com uma mensagem que toca nosso coração e nossa alma.

Nós desejamos a todos que compartilharam conosco este amor pela literatura e pela arte um Natal cheio de amor e um Novo Ano cheio de realizações!

Conto de Natal
(Ale Dossena)

Pedro nasceu em uma comunidade muito pobre. Desde menino ajudava seus pais a cuidarem da banca de revistas da família. Acordava cedinho, ia para a escola e passava as tardes separando os jornais, limpando as prateleiras e varrendo o chão da banquinha.
Diferente dos outros meninos, ao final do das suas tarefas, ele não pedia para seu pai os doces que ficavam nos potes em cima do balcão. Pedrinho sempre fazia o mesmo pedido:
- Papai, eu posso ler uma revista?
Após ouvir o sim de seu pai, ele escolhia na prateleira uma capa colorida e alegre. E assim ficou conhecendo o mundo inteiro. As paisagens, os mares, as construções gigantescas e imponentes. Ele conheceu planetas, universos, os tipos de flores e animais, palavras e cores diversas. E isso sempre o deixava muito feliz.
Mas um dia ele encontrou uma revista diferente. No final da prateleira, escondida e amassada, havia uma capa dourada, com um personagem que ele já conhecia: O Papai Noel! Ele abriu devagarzinho e percebeu que a revista inteira falava da rotina do Natal. Ele passou a conhecer a casa do Papai Noel, os elfos que o ajudavam, seu trenó e as renas que o dirigiam. E não se conteve mais, passou a querer conhecer aquelas terras distantes onde a neve enfeita os pinheiros e os presentes de Natal são embalados. 
Naquela noite ele fez um pedido antes de dormir. Gostaria que o Papai Noel naquele ano presenteasse todas as crianças carentes do seu quarteirão, que nunca ganharam um presente de Natal.
Então ele foi levado em sonhos para a casa do Papai Noel, escreveu sua cartinha, conheceu a fábrica de brinquedos e acordou sentindo-se o menino mais feliz do mundo. Ao menos ele havia sonhado com tudo que desejava conhecer.
Mas quando chegou o Natal, Pedro ganhou uma surpresa. Saiu cedo para a rua, e viu as crianças carentes da vizinhança brincando felizes com os presentes que ganharam. Esfregou os olhos, e foi até elas para realmente ter certeza do que via. E conversando, também descobriu que além dos presentes, elas ganharam um presente muito melhor, o carinho e o abraço das pessoas da comunidade.
Pedro então correu para sua casa para pegar seu brinquedo e juntou-se a eles. Foi o melhor Natal da sua infância! O que ele nunca soube é que na noite em que fez o pedido em oração, sua mãe que passava pela porta do quarto, ouviu. Então ela juntou as pessoas da comunidade e criou uma ação para arrecadar brinquedos para as crianças. Muitas pessoas das comunidades vizinhas doaram e muitas amizades foram feitas. Porque o verdadeiro Natal é isso. Amor, carinho, solidariedade.


Atividade
(Ro Miqueletto)

A atividade deste mês é um Presépio de Natal em forma de cartão.
 Ele pode ser colocado para decorar a casa e sua confecção é bem simples e fácil de fazer.
As imagens devem ser impressas em papel 180grs para que possa ficar bem firme ao ser colocado em pé .
A parte 2 e 3 devem ser recortadas e encaixadas na parte 1.

Aqui o Presépio montado:



Ilustração para Impressão
Presépio Parte 1
Ilustração para Impressão
Presépio Parte 2

Ilustração para Impressão
Presépio Parte 3

Aqui o arquivo para impressão no formato PDF:

O Conto e Atividade aqui propostos tem o intuito de inspirar e incentivar à educadores e leigos trabalhar a literatura e arte de uma maneira prazerosa e lúdica com suas crianças.
Os direitos são reservados às autoras!

Esperamos que gostem e tenham um Feliz Natal com suas crianças!



domingo, 12 de outubro de 2014

A Montanha dos Brinquedos Perdidos

Projeto 6

Ser criança é assim... Correr até acabar o fôlego, rolar pelo chão sem medo de se sujar, falar o que vier na cabeça e fazer de qualquer coisa uma brincadeira. Época da vida da qual temos saudades quando envelhecemos. E é exatamente nesta data dedicada a todos esses pequenos seres, que têm a inocência como principal característica, que devemos não só valorizar a vitalidade infantil, como também procurar resgatar a essência da criança.
O projeto deste mês é nossa homenagem às crianças e a todos que tenham em seu coração a essència de ser criança!
Uma história linda que trabalha a solidariedade de forma lúdica e uma atividade de artes divertida e fácil de fazer!

HISTÓRIA

A Montanha dos Brinquedos Perdidos
(conto do livro “O diário de Lirityl”)
(Ale Dossena)

Montanor era uma montanha encantada, um lugar habitado por seres pequeninos e coloridos que se consideravam mestres na arte de brincar. Esses seres se chamavam Bryncs. Em Montanor, não existiam dias nem noites. Era um lugar imaginário, onde ficavam os brinquedos perdidos pelas crianças do nosso mundo. Lá só existiam momentos de brincadeiras, onde se reuniam e juntos inventavam as mais diversas formas de diversão e alegria. Mas os Bryncs também recebiam conselhos dos governantes de Montanor, os Myncs, que eram responsáveis por manter a ordem na montanha, para que todos se divertissem com disciplina e boas maneiras.
Quando um brinquedo era perdido por alguma criança do nosso mundo, aparecia em Montanor e fazia a festa dos Bryncs, que se empenhavam em descobrir como o brinquedo funcionava e divertir-se com ele. Eles sabiam que, assim que o brinquedo fosse encontrado, ele sumiria novamente e agradeceriam pela oportunidade de devolvê-lo ao seu dono. Mas, como qualquer criança, queriam aproveitar ao máximo seus momentos com as novidades.
Havia um Brync sapeca e divertido chamado Dic. Tinha olhos azuis e sabia correr como ninguém. Era ele quem encontrava os brinquedos e os trazia para brincar. Dic adorava descobrir como os brinquedos funcionavam e, quando já conhecia um brinquedo, inventava novas ideias com ele, tudo para que a brincadeira fosse a mais divertida possível.
Alguns brinquedos apareciam e desapareciam quase que instantaneamente. Era quando as crianças do nosso mundo os jogavam de um lado, os esqueciam por algumas horas e voltavam a encontrá-los. Outros levavam anos para desaparecer, pois as crianças os esqueciam para brincar com os novos e, muitas vezes, só lembravam quando cresciam e arrumavam um jeito de se desfazer deles. Nesses casos, os Bryncs podiam ficar muito tempo com eles, e até levá-los para suas casas, que ficavam bem perto do vale e possuíam quintais imensos, com morros verdinhos e flores coloridas.
Dentre todos os brinquedos aparecidos e desaparecidos em Montanor, havia um brinquedo especial para Dic. Era um pião de madeira, todo trabalhado e cheio de cores. Tinha listras amarelas e azuis e muitos detalhes em vermelho, a cor preferida de Dic. Ele o possuía há muito tempo e já o considerava parte de sua vida, pois o brinquedo nunca desaparecia.
Mas, certo dia, quando Dic chegou de suas travessuras no gramado, notou que o seu pião desaparecera e ele ficou muito triste. A partir daquele dia, não brincava mais e não divertia mais os amigos, que já sentiam falta do seu sorriso e da sua alegria. Então um dos sábios Mync o chamou e disse que, através de um portal que permitia ver o que acontecia no nosso mundo, teve informações do seu brinquedo tão querido.
O pião colorido pertencia a uma pessoa que há muito tempo esquecera sua infância e deixara seu peão escondido dentro de um baú. Agora, após muitos anos, o tinha encontrado e resolveu doá-lo para uma criança pobre que conheceu. Sabendo de tão nobre história e de que o seu querido piãozinho agora fazia a felicidade de outra criança, Dic nunca mais se entristeceu e voltou a divertir os outros Bryncs e a alegrar as brincadeiras em Montanor.



ATIVIDADE


 ROBÔ PORTA TRECO
(Ro Miqueletto)

As crianças sempre gostam de fazer atividades de construção e para elas é um momento em que podem soltar sua criatividade e imaginação. Escolhemos fazer um robô porta treco, porque as crianças podem guardar seus objetos pessoais ou escolares mas também podem brincar com ele.
O(A) educador(a) pode usar materiais alternativos como caixa de leite vazia, caixa de papelão, lata vazia, garrafas Pet, etc.... 
Colocamos aqui à disposição, material para ser impresso para que o(a) educador(a) possa usar como complemento em sua tividade, ficando a critério deste(a) a maneira com a qual vai usar.
Para decorar seu robozinho cada educador(a) pode usar vários materiais como: botões, florzinhas, tampas de garrafa, forminhas de doce, papel picado, parafusos, etc...
A atividade pode ser trabalhada por crianças de várias faixas etárias, devendo o educador(a) adaptá-la a realidade de seu planejamento.





Material necessário:

Caixa vazia 
Forminhas de empadinha (podem usados copinhos de iogurte)
Impressão corpo do robô
Impressão do rosto do robô
Botão colorido (vários tamanhos)
Florzinhas (foram cortadas com furador)

Ilustrações para Impressão
(Tamanho A4)

Rosto do Robô



Corpo do Robô



Modo de Fazer:

O educador(a) deve preparar antecipadamente a caixa ou o material que vai servir de base para o robô, tirando a parte lateral superior para que fique com abertura para serem colocados objetos.
No caso de ser uma lata deve usá-la sem a tampa e certificar-se que as bordas estejam protegidas, evitando assim que as crianças se cortem.
As crianças podem pintar a caixa ou decorá-la com papel colorido. Depois de decorada a caixa com
 tinta ou papel, a criança irá recortar a impressão do corpinho e colar na frente da caixa. Para formar os bracinhos e perninhas deve ser colado forminhas de empadinhas ou copinhos de iogurte. A cabeça do robô (rosto) deve ser recortado e colado na borda da caixa (abertura).
Depois de colado as partes do corpo a criança vai decorar o robô colando enfeites como botões, florzinhas, tampinhas, etc.

O(a) educador(a) pode usar diversos tipos de materiais e técnicas de arte para confecionar com suas crianças o robô. O importante é trabalhar a moral da história contada, fazendo com que elas compreendam a importância da solidariedade e mostrar que elas podem fazer a diferença doando seus brinquedos para aquelas que não tem.
Além de uma atividade divertida e lúdica suas crianças serão futuros adultos que farão a diferença!

Esperamos que gostem e compartilhem  conosco o mesmo amor pela arte de contar histórias de maneira lúdica e divirtida!

Feliz Dia Das Crianças!




domingo, 21 de setembro de 2014

PROJETO 5 - As Novas Amigas de Roberto


PROJETO 5

Oi meninas e meninos!

O mês de setembro é um mês muito especial, pois temos datas muito importantes a ser lembradas e comemoradas. O dia da Independência do Brasil, o inicio da Primavera e o dia da Árvore são datas que as escolas costumam comemorar.
Então neste mês escolhemos para nosso projeto abordarmos o tema Meio Ambiente!
A questão ambiental vem sendo considerada como cada vez mais urgente e importante para a sociedade, pois o futuro da humanidade depende da relação estabelecida entre a natureza e o uso pelo homem dos recursos naturais disponíveis.
Entendemos que ao se tratar de Meio Ambiente devemos enfatizar que o ser humano também faz parte dele e com ele estabelece relações sociais, econômicas e culturais. É necessário repensar a ação do homem ao relacionar-se com o meio ambiente e esse novo pensar deve ser construído desde a
infância. A criança deve perceber-se como parte do meio ambiente e deve compreender que seus
atos têm impacto sobre a natureza.

Então aproveitamos o mês de setembro em que se comemora  a chegada da Primavera e o Dia da Árvore para:
1. Despertar o interesse da criança pela preservação ambiental.
2. Observar o meio natural desenvolvendo a curiosidade e a prática investigatória (como se alimentam as árvores e as plantas? - porque tem árvores que não dão frutos?, etc).
3. Reconhecer a importância de desenvolver atitudes concretas de preservação ambiental.

HISTÓRIA
(Ale Dossena)

AS NOVAS AMIGAS DE ROBERTO
Era uma vez uma pequena cidade, que ficava depois do mar e das montanhas. Apesar de estar distante, era muito fácil encontrá-la, porque à beira da estrada principal, existia uma árvore antiga, com um tronco enorme e muitas folhas de um tom verde escuro e brilhante. Quando era molhada pela chuva, ela perfumava tudo a sua volta, e se eram os raios de sol que a tocavam, abrilhantava a região.
Por essa árvore passavam viajantes e trabalhadores para descansar, e também era o ponto principal de brincadeiras das crianças da cidade, que chegavam da escola, faziam sua refeição, ajudavam na organização da casa, e depois da lição corriam para lá se encontrar.
Na rua em frente da árvore morava Acácia, filha do doceiro Antônio. Ela era uma menina esguia, de cabelos esvoaçantes e olhar esperto. Costumava passar as tardes se balançando na árvore frondosa. Sempre que ela percebia alguma criança maltratando sua árvore preferida, ela a defendia.
Assim foi em uma tarde ensolarada, quando chegou um menino novo na cidade, o Roberto. Ele era muito arteiro e só aprontava. E ignorou os avisos de Acácia, afinal não a conhecia. Começou a chutar o tronco da pobre árvore já envelhecida e jogar pedras nos seus compridos galhos.
Acácia desceu do balanço correndo, segurou Roberto pelo braço e ensinou-lhe uma lição inesquecível:
- Menino, não faça isso! Você já aprendeu sobre a importância das árvores para o planeta Terra?
Roberto ficou pensativo e respondeu que não sabia.
- Pois então, - explicou Acácia, - saiba que as árvores é que purificam o ar que respiramos, amenizam o clima nas grandes cidades, e também controlam a radiação solar e a umidade do ar.
Vendo que o novo amigo se interessava pela conversa, Acácia continuou:
- As árvores também contribuem para a saúde do solo, pois suas raízes evitam a erosão. Ajudam a manter a sobrevivência das espécies, fornecem chás, sementes, frutas, fibras, madeira, látex, resinas, pigmentos e até remédios!
Roberto, já empolgado, não poderia deixar de complementar:
- Poxa! Elas fazem tudo isso? E ainda nos fornecem a sombra para descansarmos e encantam nossos olhos com a beleza de suas copas, flores e folhas. Eu estava muito errado em maltratá-las!
- Isso mesmo Roberto, - concluiu Acácia, - Mesmo as árvores que não dão frutos, nos presenteiam com lindas flores, e ajudam muito na conservação do meio ambiente. As árvores são nossas amias e dos amigos nós devemos cuidar muito bem.
O menino adorou a conversa, pois nunca ouviu falar que as árvores faziam tantas coisas, além de dar flores e frutos. Começou a perguntar mais para Acácia, e quando se deram conta, o sol já se escondia no horizonte. Combinaram então que voltariam no dia seguinte para conversar sobre outros assuntos e para brincar, porque agora eram amigos.
Roberto voltou para casa sorridente, e contou para a mãe que agora tinha duas novas amigas. Acácia e a árvore. A mãe assustada perguntou:
- Como assim uma árvore Roberto? Bateu com a cabeça?
Roberto riu muito. E então contou a ela tudo que aprendeu naquela tarde, e como as árvores eram amigas dos homens e deviam ser respeitadas e cuidadas.

ATIVIDADE LÚDICA

CONFECÇÃO JOGO NOSSA ÁRVORE
(Ro Miqueletto)

O(A) educador(a) pode usar técnicas para narrar a história como fantoches, teatro de vara, flanelógrafo, quadro imantado, etc.
    A proposta deste mês é confeccionar um jogo para registrar a história contada. O(A) educador(a) pode utilizar vários tipos de materiais para fazer a base do seu jogo: como por exemplo: EVA, papelão, papel Holler, etc. E para as peças pode usar botões decorados com motivos de flores e frutas, imagens pintadas e recortadas pelas crianças, imagens impressas, etc.


Ao confeccionar o jogo com suas crianças é importante falar sobre a história e interagir com outros conteúdos como por exemplo Matemática - o(a) educador(a) pode utilizar as flores ou frutas para trabalhar quantidade.

As regras do jogo devem ser bem claras e discutidas com as crianças, pois viver em sociedade significa lidar com regras o tempo todo e na escola não é diferente. Além de mostrar que as restrições podem representar desafios divertidos, as crianças desenvolvem questões importantes, como a adequação a limites, a cooperação e a competição. 

ATIVIDADE



JOGO NOSSA ÁRVORE

( 4 JOGADORES)



O jogo foi feito para 4 jogadores. Cada jogador ganha 12 flores (ou frutas). Cada jogador deve jogar os dados (na sua vez) e colocar o número correspondente de flores (ou frutas) na árvore. Ganha o jogo a criança que conseguir colocar antes todas as peças na árvore.

Para as crianças menores (4 a 7 anos) usar somente um dado.

Para as crianças maiores (8 a 12 anos) usar dois dados
(o jogador pode somar ou subtrair o valor dos dois dados)

Durante o jogo o(a) educador(a) pode trabalhar os conteúdos propostos no seu planejamento.
No final do jogo as flores (peças do jogo) podem ser guardadas dentro do cestinho (6 flores em cada um).











Material que você vai precisar para confeccionar este jogo:



Placa de EVA na cor azul para formar o fundo

EVA nas cores verde e marrom para a árvore
Papel nas cores que preferir para as flores (peças do jogo)
Furador em formato de flores
Furador de borboleta
Velcro adesivado
Cola universal ou cola quente
1 ou 2 dados (conforme a idade a ser trabalhada)
Impressão Ilustração Animais e Flores
Impressão Moldes Árvore, Grama e Cestinho.

COMO FAZER:

1. Imprima as folhas com os moldes da árvore, da grama e do cestinho. Recorte.
2. Coloque os moldes sobre o EVA e contorne com lápis. Recorte.
3. Cole as gramas na borda da placa azul de EVA.
4.Cole a copa da árvore e o tronco conforme mostra a imagem do jogo.
5. Recorte 8 cestinhos e cole um em cada lado do tronco. Cole somente as bordas para formar um bolsinho.
6. Fure 48 flores (use quatro cores de papel - 12 flores para cada cor)
7. Cole botão ou pedrinhas coloridas no miolo de cada flor.
8. Recorte 48 quadradinhos pequenos no velcro adesivado.
9. Recorte 48 quadradinhos pequenos no velcro adesivado.
10. Cole um quadradinho de velcro atrás de cada flor.
11. Cole 12 quadradinhos de velcro em cada copa da árvore.
12. Decore o restante do jogo com bichinhos e florzinhas.

MOLDE ÁRVORE


MOLDE DE FLORES
 (CASO NÃO USEM FURADOR)



MOLDE CESTINHO
(PARA GUARDAR AS PEÇAS DO JOGO)



MOLDE GRAMA



Os moldes podem ser aumentados ou diminuídos conforme o tamanho que o(a) educador(a) desejar.

Aqui as ilustrações para que o(a) educador(a) possa imprimir e montar seu jogo caso não utilize os moldes.

ÁRVORE



 ILUSTRAÇÃO FLORES PEÇAS DO JOGO
(PARA COLORIR)




DECORAÇÃO 



CESTINHO
(PARA GUARDAR AS PEÇAS DO JOGO)



A História e Atividade aqui propostas tem o intuito de inspirar e incentivar à educadores e leigos trabalhar a literatura e arte de uma maneira prazerosa e lúdica com suas crianças.
Os direitos são reservados às autoras!

Esperamos que gostem e se divirtam com suas crianças!










segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Projeto 4 - Notícias do Japão

PROJETO 4

Oi meninas e meninos!

O projeto de hoje é baseado em uma história que fala sobre nossa diversidade cultural.
A diversidade cultural refere-se aos diferentes costumes de uma sociedade, entre os quais podemos citar: vestimenta, culinária, manifestações religiosas, tradições, entre outros aspectos. O Brasil, por conter um extenso território, apresenta diferenças climáticas, econômicas, sociais e culturais entre as suas regiões.
Os principais disseminadores da cultura brasileira são os colonizadores europeus, a população indígena e os escravos africanos. Posteriormente, os imigrantes italianos, japoneses, alemães, poloneses, árabes, entre outros, contribuíram para a pluralidade cultural do Brasil.

O objetivo deste projeto é abordar as diversidades culturais bem como suas particularidades, através do processo de fazer a criança a conhecer, descobrir, interagir, crescer e apropriar-se de novos repertórios de forma prazerosa, rica e envolvente.

Nesse contexto,escolhemos trabalhar a cultura japonesa que se faz tão presente em nosso cotidiano, mas o(a) educador(a) pode trabalhar a cultura que for mais adequada ao seu planejamento escolar.

HISTÓRIA

Notícias do Japão
(Ale Dossena)

Quando suas amigas tocaram a campainha no portão, Rita desceu as escadas correndo e quase tropeçou nos seus próprios pés. Estava muito ansiosa e ao abrir a porta, viu suas amigas lhe esperando na calçada. A surpresa delas foi geral:
- O que é isso Rita? Que roupas são essas? Você está de vestido e toda enfeitada. Não vamos a uma festa a fantasia?
E era verdade. Era dia da tão esperada festa a fantasia anual da escola e, enquanto suas amiguinhas estavam fantasiadas de bruxas, princesas, fadas e personagens de filmes, a pedido de sua vovó que nasceu no Japão, Rita decidiu homenagear seus ancestrais vestindo o traje típico do país. Mas levou um tempo para ela explicar a todas, porque algumas nunca tinham visto.
- Que roupa engraçada Rita, - exclamou Marta, rindo à toa.
- Marta, minha roupa chama-se quimono e é a roupa tradicional da cultura japonesa, que ainda hoje é usada em ocasiões especiais pelas mulheres, homens e crianças. Os homens geralmente usam cores mais escuras e as mulheres cores mais brilhantes. E as mulheres mais jovens e crianças usam desenhos florais como o meu.
Rita vestia um quimono rosa, com flores brancas, rosas e azuis. E tinha o cabelo preso em um formoso coque enfeitado com uma flor rosa também.
As meninas observavam o lindo quimono de Rita, e Adriana, a mais curiosa da turma, quis saber mais sobre a cultura japonesa. Como ainda tinham tempo antes de sair para a festa, Rita convidou-as a entrar e mostrou vários artefatos e objetos trazidos pelos seus avós, como vasos, leques, kokeshis, e um lindo bonsai no canto da sala.
Foi quando se aproximou uma senhora muito simpática, falando de mansinho. Era Naomi, a avó de Rita, que chegou para contar algo muito especial do Japão.
- Lindas meninas! Já que estão interessadas em saber mais sobre a terra de onde eu vim, que tal aprenderem um pouquinho sobre a arte do origami?
Pronto. Vovó Noemi nem precisou terminar a frase e todas já estavam sentadas no grande sofá amarelo, inclusive Rita, que já sabia fazer origamis, mas adorava ouvir as histórias da sua avó.
- O origami, - começou Noemi, também se chama “dobradura”. Ori significa dobrar e kami significa papel, portanto origami é a arte de dobrar papel. A partir de uma folha de papel, podemos formar vários personagens e objetos. Caberá a você escolher o que deseja fazer. Cada dobra pode transformar-se em algo, e no final você pode criar um pássaro, uma borboleta, uma flor, e vários outros conforme sua experiência. 
As crianças combinaram que depois da festa vovó Noemi ensinaria a fazer alguns origamis, enquanto experimentariam um pouquinho da comida japonesa. Mariana ficou toda animada, porque sempre quis aprender a comer com hashi, aqueles palitos de madeira que ela já tinha visto no restaurante do shopping.
No final das contas, as amigas de Rita se empolgaram tanto que também quiseram homenagear a cultura do Japão, e pediram para que Noemi as arrumasse. Marta foi de quimono azul, Luiza de lilás e Mariana de amarelo. Perderam o início da festa, mas valeu muito a pena, porque todos as rodeavam para aprender um pouco sobre a cultura japonesa. 

ATIVIDADE

CONFECÇÃO QUADRO DECORATIVO E DOBRADURA
(Ro Miqueletto)

As atividades propostas para trabalhar a história têm como objetivos:
1.  Pesquisar as diferentes culturas da comunidade;
2. Trabalhar a interação família escola;
3.  Propiciar a interação de todos os segmentos da escola;
4.  Possibilitar a construção de valorização da cultura japonesa e a brasileira;
5. Promover a valorização cultural através da leitura e interpretação da história, refletindo sobre este tema;
6.  Estimular a formação de opiniões, atitudes e valores que desenvolvem os cidadãos críticos e éticos para a consciência étnico-racial;
7. Trabalhar a auto-estima no educando, para que este possa relacionar-se com os seus pares;
8.  Descobrir e conhecer progressivamente suas habilidades, suas potencialidades e seus limites, desenvolvendo e valorizando atividades lúdicas e artísticas.

QUADRO DECORATIVO

A proposta é confeccionar um quadro para registrar a história contada. O(A) educador(a) pode utilizar vários tipos de materiais para fazer seu quadro: como por exemplo: molduras em MDF, molduras de porta retrato, tampas de caixas, etc.
O(A) educador(a) pode se fantasiar de vovó para narrar a história às crianças e ir montando o quadro junto, ou deixar para montá-lo após a contação.
O quadro aqui mostrado serve como inspiração para o(a) educador(a), deixando-o(a) livre para alterá-lo de acordo com as necessidades do seu planejamento escolar.









Aqui as ilustrações para que o(a) educador(a) possa imprimir e decorar seus quadros.






Download Lanternas Japonesas



Download Japonesas



Download Papel Floral

COMO FAZER AS DOBRADURAS

CRIANÇAS DE 4 A 12 ANOS

DOBRADURA DE FLOR


As dobraduras vão completar a atividade de montagem do  quadro decorativo.São dobraduras simples que podem ser confeccionadas com papéis de diferentes cores e texturas, mas estes devem ser maleáveis o suficiente para serem dobrados.




Download Dobradura de Flor

DOBRADURA DE BORBOLETA



MATERIAIS NECESSÁRIOS

QUADRO DECORATIVO

Moldura para montagem do quadro
Papel para decorar o fundo do quadro
Ilustrações (disponibilizadas para download acima)
Papel para dobradura 
Enfeites para decorar as flores e borboletas (botões, miçangas, lantejoulas)
Retalhos de tecido
Retalhos de fita
Fita banana
Fita Dupla face
Cola branca

A História e Atividade aqui propostas tem o intuito de inspirar e incentivar à educadores e leigos  trabalhar a literatura e arte de uma maneira prazerosa e lúdica com suas crianças.
Os direitos são reservados às autoras!

Esperamos que gostem !