domingo, 12 de outubro de 2014

A Montanha dos Brinquedos Perdidos

Projeto 6

Ser criança é assim... Correr até acabar o fôlego, rolar pelo chão sem medo de se sujar, falar o que vier na cabeça e fazer de qualquer coisa uma brincadeira. Época da vida da qual temos saudades quando envelhecemos. E é exatamente nesta data dedicada a todos esses pequenos seres, que têm a inocência como principal característica, que devemos não só valorizar a vitalidade infantil, como também procurar resgatar a essência da criança.
O projeto deste mês é nossa homenagem às crianças e a todos que tenham em seu coração a essència de ser criança!
Uma história linda que trabalha a solidariedade de forma lúdica e uma atividade de artes divertida e fácil de fazer!

HISTÓRIA

A Montanha dos Brinquedos Perdidos
(conto do livro “O diário de Lirityl”)
(Ale Dossena)

Montanor era uma montanha encantada, um lugar habitado por seres pequeninos e coloridos que se consideravam mestres na arte de brincar. Esses seres se chamavam Bryncs. Em Montanor, não existiam dias nem noites. Era um lugar imaginário, onde ficavam os brinquedos perdidos pelas crianças do nosso mundo. Lá só existiam momentos de brincadeiras, onde se reuniam e juntos inventavam as mais diversas formas de diversão e alegria. Mas os Bryncs também recebiam conselhos dos governantes de Montanor, os Myncs, que eram responsáveis por manter a ordem na montanha, para que todos se divertissem com disciplina e boas maneiras.
Quando um brinquedo era perdido por alguma criança do nosso mundo, aparecia em Montanor e fazia a festa dos Bryncs, que se empenhavam em descobrir como o brinquedo funcionava e divertir-se com ele. Eles sabiam que, assim que o brinquedo fosse encontrado, ele sumiria novamente e agradeceriam pela oportunidade de devolvê-lo ao seu dono. Mas, como qualquer criança, queriam aproveitar ao máximo seus momentos com as novidades.
Havia um Brync sapeca e divertido chamado Dic. Tinha olhos azuis e sabia correr como ninguém. Era ele quem encontrava os brinquedos e os trazia para brincar. Dic adorava descobrir como os brinquedos funcionavam e, quando já conhecia um brinquedo, inventava novas ideias com ele, tudo para que a brincadeira fosse a mais divertida possível.
Alguns brinquedos apareciam e desapareciam quase que instantaneamente. Era quando as crianças do nosso mundo os jogavam de um lado, os esqueciam por algumas horas e voltavam a encontrá-los. Outros levavam anos para desaparecer, pois as crianças os esqueciam para brincar com os novos e, muitas vezes, só lembravam quando cresciam e arrumavam um jeito de se desfazer deles. Nesses casos, os Bryncs podiam ficar muito tempo com eles, e até levá-los para suas casas, que ficavam bem perto do vale e possuíam quintais imensos, com morros verdinhos e flores coloridas.
Dentre todos os brinquedos aparecidos e desaparecidos em Montanor, havia um brinquedo especial para Dic. Era um pião de madeira, todo trabalhado e cheio de cores. Tinha listras amarelas e azuis e muitos detalhes em vermelho, a cor preferida de Dic. Ele o possuía há muito tempo e já o considerava parte de sua vida, pois o brinquedo nunca desaparecia.
Mas, certo dia, quando Dic chegou de suas travessuras no gramado, notou que o seu pião desaparecera e ele ficou muito triste. A partir daquele dia, não brincava mais e não divertia mais os amigos, que já sentiam falta do seu sorriso e da sua alegria. Então um dos sábios Mync o chamou e disse que, através de um portal que permitia ver o que acontecia no nosso mundo, teve informações do seu brinquedo tão querido.
O pião colorido pertencia a uma pessoa que há muito tempo esquecera sua infância e deixara seu peão escondido dentro de um baú. Agora, após muitos anos, o tinha encontrado e resolveu doá-lo para uma criança pobre que conheceu. Sabendo de tão nobre história e de que o seu querido piãozinho agora fazia a felicidade de outra criança, Dic nunca mais se entristeceu e voltou a divertir os outros Bryncs e a alegrar as brincadeiras em Montanor.



ATIVIDADE


 ROBÔ PORTA TRECO
(Ro Miqueletto)

As crianças sempre gostam de fazer atividades de construção e para elas é um momento em que podem soltar sua criatividade e imaginação. Escolhemos fazer um robô porta treco, porque as crianças podem guardar seus objetos pessoais ou escolares mas também podem brincar com ele.
O(A) educador(a) pode usar materiais alternativos como caixa de leite vazia, caixa de papelão, lata vazia, garrafas Pet, etc.... 
Colocamos aqui à disposição, material para ser impresso para que o(a) educador(a) possa usar como complemento em sua tividade, ficando a critério deste(a) a maneira com a qual vai usar.
Para decorar seu robozinho cada educador(a) pode usar vários materiais como: botões, florzinhas, tampas de garrafa, forminhas de doce, papel picado, parafusos, etc...
A atividade pode ser trabalhada por crianças de várias faixas etárias, devendo o educador(a) adaptá-la a realidade de seu planejamento.





Material necessário:

Caixa vazia 
Forminhas de empadinha (podem usados copinhos de iogurte)
Impressão corpo do robô
Impressão do rosto do robô
Botão colorido (vários tamanhos)
Florzinhas (foram cortadas com furador)

Ilustrações para Impressão
(Tamanho A4)

Rosto do Robô



Corpo do Robô



Modo de Fazer:

O educador(a) deve preparar antecipadamente a caixa ou o material que vai servir de base para o robô, tirando a parte lateral superior para que fique com abertura para serem colocados objetos.
No caso de ser uma lata deve usá-la sem a tampa e certificar-se que as bordas estejam protegidas, evitando assim que as crianças se cortem.
As crianças podem pintar a caixa ou decorá-la com papel colorido. Depois de decorada a caixa com
 tinta ou papel, a criança irá recortar a impressão do corpinho e colar na frente da caixa. Para formar os bracinhos e perninhas deve ser colado forminhas de empadinhas ou copinhos de iogurte. A cabeça do robô (rosto) deve ser recortado e colado na borda da caixa (abertura).
Depois de colado as partes do corpo a criança vai decorar o robô colando enfeites como botões, florzinhas, tampinhas, etc.

O(a) educador(a) pode usar diversos tipos de materiais e técnicas de arte para confecionar com suas crianças o robô. O importante é trabalhar a moral da história contada, fazendo com que elas compreendam a importância da solidariedade e mostrar que elas podem fazer a diferença doando seus brinquedos para aquelas que não tem.
Além de uma atividade divertida e lúdica suas crianças serão futuros adultos que farão a diferença!

Esperamos que gostem e compartilhem  conosco o mesmo amor pela arte de contar histórias de maneira lúdica e divirtida!

Feliz Dia Das Crianças!